Celular ao volante


A juíza Jordana Duarte Silva, em exercício na 2ª Vara do Trabalho de Alfenas (MG), manteve a justa causa aplicada por uma empresa de transporte rodoviário de cargas perigosas a um motorista flagrado em filmagens, por duas vezes, falando ao celular enquanto dirigia.  Na reclamação ajuizada na Justiça do Trabalho mineira contra a ex-empregadora (nº 0010343-97. 2018.5.03.0169), além de anulação da justa causa, o profissional pedia uma indenização por danos morais por se sentir “extremamente incomodado” em conduzir “constantemente vigiado” por câmera instalada na cabine do veículo.Mas a magistrada não viu qualquer irregularidade ao examinar a prova e julgou improcedente a pretensão. Ela, inclusive, manteve a justa causa aplicada pela empresa, ressaltando que é inconcebível o fato de um motorista profissional na condução de caminhão carregado com combustível falar simultaneamente ao celular. Há recurso aguardando julgamento no TRT mineiro.


Fonte: www.valor.com.br

Voltar para página inicial de Notícias ou deseja Ir para página inicial de Dicas